A relevância dobrada

Um hábito quase que religioso que eu tenho com o meu site é o de analisar o tráfego do Revolução Etc periodicamente e procurar mensurar resultados do tráfego gerado pelo Google. Sim, basicamente só os do Google. Recebo também vários outros visitantes vindos do MSN e do Yahoo respectivamente, mas nada se compara ao gigante dos buscadores. Geralmente antes de publicar algum artigo eu faço buscas pelas palavras que fazem parte do título escolhido e verifico se meu site se encontra em alguma posição. Em seguida eu anoto pra não me esquecer e dias depois eu retorno com a mesma busca para observar se ouve ganhos e quais os fatores reais que resultaram nisso. Os resultados tem sido bastante satisfatórios. Aqui vai algumas dicas.

Costumo pensar nos sites que são desenvolvidos seguindo os web standards como sites de “relevância dobrada”. Enquanto não vivemos em um mundo perfeito de uma web semântica e em meio a milhares de sites obsoletos e mal desenvolvidos, seguir os padrões web é como ter os dois olhos e uma visão perfeita em uma terra só de cegos. De fato, na prática, uma palavra estratégica vinda de um site otimizado e seguindo os padrões possuiu até muito mais do que o dobro de relevância do que sites desenvolvidos pensando apenas na aparência e nada na arquitetura. Mas isso também depende de vários fatores além dos web standards.

O primeiro ponto a ser observado é a concorrência. Se existem vários sites sobre o mesmo assunto e todos eles possuem um código semântico e bem otimizado, a batalha a ser travada pela primeira página do Google (não vale pagar nenhum centavo de AdWords é claro) é levada ao nível da popularidade e da quantidades de links existentes na web apontando para determinado site. Muitos links para o seu site na web é o termômetro da popularidade. Mas ao mesmo tempo um site muito popular pode ceder lugar para um site que não seja tão popular assim se ele possuir um código muito mais otimizado que o do site popular. Não se pode controlar essas variáveis, mas podemos observá-las e aprender de forma estratégica a dançar a música dos mecanismos de busca.

Devo confessar que existe um horizonte de incerteza em toda essa história de search engine optimization (SEO) mas muito disso pode ser controlado em determinados contextos. Neste ponto eu estou desconsiderando as técnicas “sujas” de otimização e considerando apenas as corretas. Cada caso deve ser analisado separadamente e se alguém te procurar prometendo demais, esqueça. Quanto mais escasso é um assunto, e quanto menos informação existe sobre determinado assunto na web, mais fácil é pegar os primeiros lugares nos mecanismos de busca com um site bem otimizado e seguindo os web standards à risca. Mas quando existe muita informação sobre determinado assunto, e se muitos sites são desenvolvidos com objetivos que privilegiem a informação, a primeira página de nenhum mecanismo pode ser prometida, a não ser que você recorra ao AdWords. Caso contrário milagres não podem ser feitos mas medidas estratégicas a medio e longo prazo podem ser elaboradas. E quando nós falamos de resultados, conseguir estar na primeira página do Google em muitos casos será quase que impossível. Mas se um site de forma estratégica é planejado e analisado em um contexto de extrema concorrência e consegue sair sai da página 1859º e vai para a 6º ou 7º página do Google, isso já pode ser considerado um grande sucesso.

Outro fator de influência no posicionamento nos mecanismos de busca é o tempo. Sites mais relapsos em relação ao conteúdo, sites menos otimizados mas que são bastante populares, com o tempo, o hanking passam a dar lugar aos sites que são mais fieis em publicar sobre um determinado assunto. A popularidade na web sempre será um fator importante por várias razões. Primeiro porque os sites que geram muito tráfego tem a probalidade de serem mais relevantes sobre determinado assunto do que os sites menos populares e menos linkados. Ou seja, se muitas pessoas linkam e trafegam em determinado site é porque algo ele tem de relevante para justificar isso. Naturalmente. A popularidade é uma espécie de credencial de relevância.

O segredo para um tráfego de visitantes alto é investir em bom conteúdo, bons relacionamentos e fidelidade ao seu nicho ideológico. O tempo faz o resto. Ou seja, a solução é procurar também ser popular pelo valor do seu trabalho, pelo valor do conteúdo do seu site em si. Escrever textos irrelevantes pensando exclusivamente em mecanismos de busca não vai criar fidelidade de usuários e qualquer tipo de otimização sempre será em vão. A otimização dos mecanismos de buscas (SEO) é um meio e não um fim em si.

No final das contas se o objetivo da otimização é mostrar que você possuiu informação relevante sobre determinado assunto, a melhor maneira de começar isso não é se preocupar com a otimização e sim com o próprio conteúdo e a qualidade do seu trabalho que será compartilhado na web. A otimização é uma maneira muito importante de aproximar seu conteúdo ao seu público específico nos mecanismos de busca, mas se seu conteúdo não for realmente bom e relevante será apenas um ordinário em roupa de rei. E por pouco tempo.

Estatíticas e curiosidades

Esta parte deste texto está fadada a estar desatualizada em um prazo muito curto de tempo. Qualquer estatísticas de posicionamento de um site no Google está destinado a estar desatualizado logo após sua publicação. As informações listadas abaixo, podem ter variações para cima ou para baixo. De qualquer forma, compilei estas informações para deixar documentado algumas estatísticas curiosas sobre o Revolução Etc do mês de maio de 2006. Todas estas estatíticas estão relacionadas a buscas feitas no Google com a opção “páginas em português” selecionada.

A principal palavra que os visitantes vindos do Google digitam para chegar no meu site é a palavra “revolução”. Só no mês de maio mais de 1168 palavras diferentes foram digitadas no Google e que geraram visitas diretas. A palavra revolução correspondeu apenas a 2% dos visitantes.

Mesmo tendo escrito apenas dois artigo em que trazem o termo “web 2” no título, até esta data um dos meus artigos está em 2 lugar na primeira página do Google. Uma das razões foi a quantidade de links em vários outros sites que este artigo recebeu aumentando sua popularidade.

A palavra “sorrir” se não me engano foi utilizada apenas uma única vez no meu site o que levou meu artigo a estar na primeira página do Google em apenas 5 dias. No mês de maio 8 pessoas chegaram ao meu site digitando a palavra “sorrir” no Google. Detalhe: meu artigo foi escrito no dia 19 de maio e estas visitas vieram em apenas 12 dias (desconsiderando o tempo de indexação do Google) através de uma palavra que é completamente irrelevante considerando-se os objetivos do meu site.

No artigo “Designing for Web 2” eu utilizei uma infame expressão na seguinte frase: “Valorizar design acima da organização da informação é mast**** na frente do espelho.” Coloquei asteriscos no restante da palavra por não ter o mínimo interesse em concorrer com sites que tratam sobre o assunto. Esta foi a única instância em que esta palavra apareceu no meu site, eu prometo. Durante o mês de maio esta palavra podia ser encontrada na segunda página do Google o que acabou resultando em 8 visitas. Curiosamente a frase digitada em todas as 8 visitas foi “como se mast****”. Esta é uma grande prova da relevância dobrada.

Neste momento, meu site se encontra na primeira página do Google na busca realizada em português nas seguintes palavras e/ou frases:

web standards, media types, CSS, microformats, revolução, henrique, charsets, encodings, dicas de css, !important, comentários condicionais, segredos google, semântica, markup, sorrir, target blank, tolltip, doctype, DTD, technorati, paypal, UTF-8, folksonomia, delicious, mime type, web 2.0, folha de estilos, bloglines, editplus, entitie, feedburner, hCalendar, hCard, ampersand, hReview, IE7, quirks mode, semântica web, unicode, validação

Este é apenas um exemplo simples do que um site que segue os web standards e é construído com ênfase na informação mais do que na aparência pode alcançar.

UPDATE

Leia este post do Élcio sobre como você pode acompanhar a relevância do seu site relacionado a algumas palavras. No Robô de Google Ranking você digita no campo busca algumas palavras (separadas por vírgula) relacionadas ao seu site. Embaixo você digita a sua URL e faz a busca. Um script vai verificar qual a posição em que o seu site está relacionado a cada palavra digitada na busca. Depois de completada a busca você ainda pode assinar um feed para sempre acompanhar as alterações do seu ranking. Simples e fantástico!

  • http://elmicox.blogspot.com Micox

    Uma dúvida: Que ferramenta voce conseguiu para obter estas estatísticas??

  • Ricardo Ferro

    Párabens pelo artigo.

    Muito boa.

  • Mario Suzuki

    Meus parabéns pelo artigo, realmente muito interessante para os que estão começando a adquirir conhecimentos na área de desenvolvimento web.

    Apenas uma observação curtinha, espero que não me leve a mal… tem um pequeno erro de digitação na seção "Estatíticas e curiosidades" na segunda frase, onde está a palavra "puplicação".

    É isso ae!

    Abraços

  • http://www.contosdaescola.net/ Debora

    Muito bom o artigo. Não é a toa que se alcança o topo.

  • http://www.brunodulcetti.com/blog/ Bruno Dulcetti

    falae mico… creio que o awstats… pelo menos eu o utilizo e acho muito bom…

  • http://www.aspecto.net rafael bernard arauj

    Henrique, há tempos busco um artigo que falasse sobre relevância nos buscadores, mas que se preocupasse, muito mais, com o conteúdo, a qualidade, sem deixar de fora importantes dicas para se aproveitar o material produzido e publicado (à propósito, você escreveu 'puplicação', corrige lá). Excelente artigo. Parabéns!

  • WeBob

    Ola Henrique,

    Tenho aprendido muito no seu site e sou seu fã, mas fiquei com dúvidas nesta sua matéria, quanto a maneira correta de usar o Google.

    Veja como fiz hoje 8 junho 2006:

    Entrei em http://www.google.com.br e depois fui em preferências e escolhi pesquisar somente somente nos idiomas selecionados – português.

    Digitei as palavras que você disse estar teu site em primeiro lugar e não conferiu.

    Umas poucas você aparece em primeiro como microformats e !important.

    Em várias você não aparece entre as dez como css, web standards, folhas de estilo, DTD etc. e em outras aparece da quarta para baixo.

    Algumas eu não conferi como henrique e sorrir.

    O que eu fiz de errado na pesquisa?

  • http://www.numclique.net

    Pois é… busco manter meu site no padrão bem direitinho, usando as tags certas para as quais elas foram "inventadas", mas… para aparecer no google… como por exemplo, nem meu blog aparece… vamos supor… se eu colocar o nome relacionado ao primeiro artigo que foi escrito, vamos supor, mais ou menos no dia 04 de Abril de 2006, mesmo assim ainda num aparece…

    Como fazer para ao menos rankear? É simplesmente em relação às buscas?

    Busquei colocar as determinadas coisas, como as Meta Tag… mesmo assim… nada…

    Até hoje num sei como rankear no Google uma matéria…

  • http://rafaelgimenes.net/ rafael gimenes

    Olá!

    Adorei sua matéria sua técnica de comparação da posição no resultados do google é interessante adotarei isso como dica e passará a ser minha rotina.

    vlw obrigado.

  • TheChessMan

    Muito bom o artigo! Belas comparações!

    Parabéns mais uma vez!

  • http://msontivero.wordpress.com/ Mário S. Onti

    Ótimo artigo.

    Sem dúvida o conjunto de cuidados citados no artigo ajudam o posicionamento nos buscadores.

    Usar padrões web, diferencia demais dos outros que não utilizam e por enquanto é um dos fatores principais para o "rankear". Como o Henrique falou: Em terra de cego, quem tem dois olhos é rei.

  • Maicon Junches

    Cara, parabéns pelo artigo, sem noção, ta muito interessante!!

    Parabéns mesmo!! =)

  • Jaque

    olá..parabens pelo artigo..nesses tempos de irá sao poucos os que se expressao como vc…

  • http://www.tiagofaustino.com/site/ Tiago

    Tenho experimentado isto também. Num projeto q fiz a algum tempo sem pensar em Web Standards (na época não tinha menor idéia o que era isso) o site em questão estava na 6ª, 7ª página do Google… agora para algumas buscas ele estna primeirona!! Fazer sites semanticamente corretos e sem códigos e mais códigos q só cansam os robots dos sites de busca não é frescura, é uma necessidade q se torna cada vez maior para os desenvolvedores!!

    Brigadão por ter confirmado o que desconfiava ser verdade, agora tenho certeza!!

  • Zé Roberto

    Gostei bastante desse artigo, de fato vale a pena ter todo esse cuidado no desenvolvimento e mais importante escrever algo "relevante" como este artigo, meus parabens e muito obrigado!

    abração

  • http://www.gawry.com Gustavo Gawry

    Muito interessante… até hoje eu não entendo direito por que diabos o google não indexa sequer uma pagina do meu site…

    Sabe dizer?

  • Mauricio

    MORREO O SITE?

  • Pingback: O Google tem sido um mal exemplo. Vamos nos unir para convertê-lo? » Revolução Etc - Web Standards em uma casca de noz!()

  • http://www.brasilazul.com.br Julio L Neto

    Parabéns pelo artigo sobre a relevância dobrada.

    Tenho uma dúvida sobre inserir muitos links na mesma página. Soube que o certo é manter a quantidade de links abaixo de 100, que mais que isto é ser banido automaticamente e que o próprio Google fala sobre o limite de links por página.

    A respeito da dica acima, gostaria de saber:

    1 – Onde exatamente o Google fala sobre o limite de links por página?

    2- Estou desenvolvendo um site que pretende ser um grande portal de turismo, com centenas de cidades e, conseqüentemente, com páginas que possuem mais de cem links.

    Por que razão o número de links seria reprovável se todos possuirem conteúdo e forem utilizados com o propósito de oferecer uma boa navegabilidade?

    3- Por que sites como UOL ou Terra, com mais de cem links, não são reprovados pelo Google ?

    Agradeço a atenção.

    Julio L Neto

  • Pingback: Qual o papel dos web standards na arquitetura da informação? » Revolução Etc - Web Standards em uma casca de noz!()