A morte da Web 2.0

Introdução

Lembro-me de um episódio dos Simpsons no qual o Bart, sem querer e de forma espontânea, fala algo idiota e engraçado para aquele momento e que fez todo mundo rir. Os barões da mídia que viram a situação logo pensaram que poderiam ganhar algum dinheiro. Espertos! A “mídia” representada, se não me engano pelos mesmos empresários do palhaço Krusty, resolveu fazer Bart falar aquela porcaria em todos os programas de auditório, repetidamente e repetidamente. O garoto ficou “famoso” com a “performance” até os risos acabarem. A graça acabou e Bart Simpson voltou a ser o que sempre foi, um garoto comum. Quem está lendo este texto nunca viu algum hit ou banda fazer sucesso estrondoso, daqueles que você se pergunta por que as pessoas gostam tanto daquilo, desaparecer sem deixar rastros?

A morte da Web 2.0

Só hoje eu li este texto do TechCrunch chamado “The death of ‘Web 2.0′”, publicado no dia 14 de fevereiro, quase duas semanas antes deste post. Apesar de seu foco ser sobre a queda do termo web 2.0, eu vou mais longe e o levo para o lado de “nunca significou nada”. O episódio dos Simpsons, na minha opinião, ilustra perfeitamente essa situação.

Lendo este texto que escrevi há mais de um ano, percebo que seu conteúdo ainda é extremamente atual. Outro igualmente acertivo de pouco mais de 3 anos chama-se Web 2.0 Não significa nada. Me desculpe!.

Por mais que eu pareça provocativo, na verdade eu não sou. Pelo menos não é minha intenção. Por estar em contato com agências, profissionais de marketing e empresas de comunicação, percebo que a sociedade caminha em torno de coisas sem sentido, valorizadas e difundidas por pessoas que conseguiram ter influência suficiente na sociedade. Claro que nem tudo funciona assim, mas olhe na capa do G1 e me fale qual a porcentagem dos destaques na capa mereciam se chamados de “notícia” de verdade? Do consumo as idéias prontas. Cabe aos espertos explorar e fazer algum dinheiro. Essas “mentiras” da comunicação é um reflexo da própria sociedade. Da esquizofrenia dos franceses a web 2.0, estamos cercados dos significados inócuos que nós mesmos construímos e aceitamos.

O fato é que web 2.0 foi vendido como uma “coisa”, que se olhar de perto verá que é vazia. E estamos falando de tecnologia e não de poposudas. Muitos quiseram colocar redes sociais, comentários, colaboração e AJAX em coisas que não tinha esse foco. Só porque era moda. AJAX por exemplo, é javascript. Aqueles que construíram sites de conteúdo inteiros usando AJAX porque acharam que era “cool” ou “web 2.0”, tiveram que refazê-lo inteiro se não quisessem ficar sem os visitantes dos resultados orgânicos do Google. Tiro no pé 2.0.

De qualquer maneira meus parabéns para quem conseguiu e ainda consegue ganhar dinheiro por trás do termo web 2.0. E não estou sendo cínico, eu realmente admiro quem consegue fazer grana com coisas abstratas e principalmente sem sentido quanto isto. Eu queria ter essa característica, com certeza eu seria mais feliz.

  • http://www.flup.com.br Josh

    totalmente correto até porque logo no inicio se falava muito em web 2.0 mas ninguem nem sabia o que era até que definiram que eram os sites que o usuario podia interagir ou então com as "novas" tecnologias, mas a verdade e que foi muito mais marketing do que uma revolução na web mesmo.

  • http://andersoncustodio.com Anderson Cust&oacute

    O pior de tudo é que essa !@$@# de termo nada a ver atrapalho e muito a difusão dos Padrões Web, o povo ia atrás dessa lorota ao invés de ir saber o que é Padrões Web.

  • Mikael Carrara

    O termo Web 2.0 em si não quer dizer muita coisa mesmo, mas não podemos negar que a Web evolui, e muito!

    Eu como estudante de comunicação social, particularmente adoro todo esse conceito de interação social e comunidades virtuais.

  • http://www.paulodetarso.com Paulo de Tarso F. M.

    Aconteceu o mesmo com esse termo, "Web 2.0", com o que aconteceu com os padrões. Muitas pessoas utilizam isso apenas como status, sem realmente se preocupar com o real propósito.

    Dar nome aos conceitos que a embasam realmente parece ser apenas uma questão de marketing, de divulgação. Os conceitos "cobertos" pela Web 2.0, na verdade deveriam fazer parte da rotina dos desenvolvedores, sem precisar dar um nome para isso.

    Quando será que o mercado irá absorver todos esses conceitos de uma forma em que não será mais necessário "vendê-los"? Porque é como o Henrique falou: é um vazio! E o mais impressionante é que as pessoas são seduzidas por essas coisas vazias…

    Isso tudo deveria ser considerado um "item de fábrica" dos desenvolvedores, e não um "opcional", no qual optamos em comprá-lo ou simplesmente deixá-lo na prateleira…

  • tafarel passos

    Acredito que houve apenas umas possível infelicidade na escolha do nome Web 2.0, mas que ela evoluiu isso é absolutamente inquestionável, o Javascript existe há muito tempo, mas era usado para fins que não tinham serventia alguma, ou alguém esquece do Prompt perguntando "Qual é o seu nome?" para depois simplesmente mostrar no topo da página e não usar para mais nada ? Os Frameworks de Javascript ajudaram muito no que passamos a chamar de Web 2.0 e passaram a dar um valor que inexistia até então para o Javascript. Fazendo uma análise do site da Globo.com em geral (vamos deixar a qualidade das notícias para um outro momento) podemos dizer sim que é um marco na transmissão de notícias, e que as páginas da Globo tem uma qualidade muito superior aos sites de notícias da internet do nosso país, primeiro pelo fato de ter mais conteúdo que propaganda, o que não acontece nos sites Uol e Terra por exemplo. A "Web 2.0" não é apenas Ajax; a utilização dos vídeos em Flash, e agradecemos ao Youtube por isso; a propagação do uso dos mapas, grande ajuda do Google nesse caso; o uso de API de vários sites o que torna a internet ainda mais global, enfim, as evoluções foram inúmeras e não devemos esquecer da propagação da banda larga que trouxe mais gente e com mais tempo para a rede. A evolução da internet existiu de forma muito acentuada, e na minha visão, "Web 2.0" foi o nome dado a toda essa evolução, talvez não precisasse de um nome, afinal, tudo evolui o tempo todo.

  • tafarel passos

    Apenas para finalizar, eu acreditaria na morte da "Web 2.0" se voltássemos a ter aquelas páginas ridículas, porém necessárias para que houvesse a evolução, de anos atrás.

  • Ericson Sobrinho

    ROTULAGEM. PURA ROTULAGEM!

    se Web 2.0 fosse usado para demonstrar a evolução da Web, não estaríamos mais na Web 2.0.

    Todo dia a web evolui, todo dia surge algo novo, se fosse esse o propósito do termo WEB 2.0, estaríamos hoje na WEB 5.667… entendem? Pura rotulagem. E como diz no post, quem sabe "vender" a "rotulagem", se dá bem.

  • Atila

    Não acho que seja bem assim. Não discordo totalmente, mas acho que é um exagero apocalíptico tratar a situação desta forma. Se considerarmos web 2.0 apenas um segundo estágio na evolução do uso da internet, então não é algo tão absurdo. Modismos vêm naturalmente com tudo que é considerado tendência.

    Um profissional chamado Gil Giardelli está se dando bem falando de web 2, 3, 4, etc… A meu ver, de forma onírica, coerente com seus argumentos: fascinando os menos informados.

  • http://www.nwmidia.com.br Agencia de Marketing

    "Muito se fala pouco se faz…"

    As pessoas prometem fundos e mundos quando se trata de web 2.0, mas na verdade é preciso tomar algumas providências para ser web 2.0 e como citado acima internet é algo que está sempre em constante mudança.

  • http://www.luiztiago.com Luiz Tiago

    E a Web 3.0?! 4.0? O.o

  • http://paolasales.com/ Paola Sales

    Oieee moço!

    Tudo joinha? Como vai o baby?

    Adorei seu post… hehehe… assino embaixo e "Abaixo com a wen 2.0 que nunca existiu"!

    :-)

    Bjs mil!

  • http://www.chrisb.com.br/blog/ Chris Benseler

    Isso ocorre em outros setores, outros pontos. Por exemplo SEO, que não passa de uma buzzword usada para falar de um assunto – e que alguns ganham dinheiro em cima.

    Acho que sempre vamos ver essas coisas acontecendo, ainda mais numa internet que é orgância ao extremo, mutante a todo momento!

    []s!

  • Mark de Souza Costa

    Se não me engano o Bart falava "Eu não fiz isso" rs.

    Eu fui infeliz nessa época da "Web 2.0". Eu ficava simplesmente irado de ouvir esse termo nojento e sempre imaginava um marketeiro gordo que só foi acordar pra Web 2 anos atrás e acabou virando o garoto "Eu não fiz isso". Esse termo me ofendia e me ofende ainda e era quase impossível não dar de cara com eses lixo por ai.

    E ainda li um artigo (nem vou citar a fonte, mas é famosíssima) onde o autor falava que a empresa dele aplica Web 2.0, 3.0 e até 4.0 nos seus clientes sendo esta a mais avançada lol. Pelo amor de Deus…

  • http://www.fotografarvenderviajar.com Marcio Eugenio

    a web 2.0 é mais uma moda, mais um nome bonito como a tantos que existem por ai no mundo virtual, como no mundo de verdade… Bom é quando no meio da onda conseguimos levantar a cabeça e ver que é mais uma onda, entende-la e dai surfar nela e ver que atras dessa vem outra, senão, morre-se afogado.

    Grandes artigo e grandes dicas cara!

    []s

    Marcio

  • http://www.mentalidade.com MENTALIDADE

    Muito se fala em web 2.0, mas a diferença mais marcante não está no estilo ou modelo da internet, mas sim na forma como ela é feita e no seu conteúdo. Mentalidade

  • http://www.ronaud.com Ronaud Pereira

    Grande mensagem. É mais uma Buzzword que utiliza o poder da MARCA para engrandecer e ajudar a vender velhos conceitos. Bom mesmo é quem consegue enxergar por cima da confusão e direcionar os esforços para ações efetivas que produzam resultados. E nesse ponto tens feito a tua parte com este blog.

  • Diego Brito

    Ao meu ver muita coisa mudou com a "web 2.0". Não me acharia exagerado em comparar com a mudança da TV P/B para tela colorida. Mas é claro que existe muita espetacularização acerca do tema. Eu sinceramente não acho que podemos dizer que a web 2.0 irá morrer, mas sim, que é um começo para que a INTERNET torne-se cada vez mais o meio de comunicação mais importante do século XXI. Ou alguém tem saudades da época das conexões discadas e sites estáticos? Bom acho que é isso!

  • http://www.edufrick.com Eduardo Frick

    Nós profissionais de web sabemos que esse negócio de web 2.0 é lorota. O público gosta de lorota, senão não assistiram comerciais de TV com atrizes vendendo remédios para gripe. É inerente à raça humana querer rotular, classificar, taxar, nomear. E nomearam essa fase atual da Internet de Web2.0. Vamos ficar aqui queimando neurônios nessa retórica existencialista? Eu sugiro que não. Mais fácil adotar a seguinte tática: Você olha na cara do seu futuro cliente e percebe, através de uma técnica de observação corporal, se ele acredita ou não em Web2.0. Se ele acreditar, você usará esse termo em todos os parágrafos do seu discurso. Se ele não acreditar, você pode terminar a sua proposta dizendo que o site conterá todas as soluções contemporâneas que o vulgo costuma chamar de "web.20". Pronto.

  • Pingback: blogfolio - eduardo frick » Blog Archive » A web 2.0 morreu? Mas ela nem nasceu direito!()

  • http://www.benderblog.com Bender

    Web 2.0 não é nada. Só significa que gasta mais gasolina do que a web mille.

  • http://designcombolachas.blogspot.com/ Thiago Cavalcanti

    Oi Henrique! Desde Goebbels que esse povo de vendas faz isso: inventa Buzzwords e cria hype em torno delas pra poder associá-las aos produtos e serviços que eles vendem!

    Pessoalmente, acho que a posição correta a se tomar num caso desses é daquele tipo "nem tanto ao céu, nem tanto à terra".

    Explico: inevitavelmente os nossos clientes já terão ouvidos essas Buzzwords antes de falarem conosco, então é melhor tentar aproveitar o hype explicando para o cliente o que realmente é importante(usabilidade, acessibilidade, padrões e compatibilidade, confiabilidade, segurança da informação, etc…) e de alguma forma ir associando esses dois mundos(o da fantasia e o da realidade).

    Quem não faz isso corre o risco de perder projetos pra concorrentes menos competentes na área técnica mas melhores vendedores do seu peixe!

    E tenho dito.

  • leonardo

    excelente matéria ainda bem que a internet evolui

  • Caio C Porto

    "Web 2.0" .. isso nunca existiu mesmo!

    a internet sempre foi interativa.. e os usuários sempre interagiram com a rede mundial.

    A diferença é que hoje qualquer pessoa com o minimo de conhecimento de informatica é capaz de colocar um video no youtube, ou criar um fotolog.

    Como fazer pra ganhar dinheiro dos "novos internautas"?.. ah.. chama essa facilidade de "web 2.0", e embrulha em um pacote bonito.. e faz bastante propaganda.

  • Sérgio Rodrig

    me desculpe discordar..mais essa sua concepção e esdrúxula, web 2.0 não e um termo inútil & "validação não significa nada" tenha dó…se formos reparar direitinho só quem tem esse tipo de opinião e brasileiro…menos eu e claro…agora me responda rapidamente: foi um brasileiro que criou a web?….em que linguagem estão escritas as paginas de mais baixo teor de qualidade do mundo? quem descobriu o brasil? não me leve a mal mais essa e minha opinião …isso tudo não passa de um anti-americanismo! muito bom seu site duro e seu preconceito.

  • http://maxdowns.blogspot.com Aniel Bispo

    Creio que a Web 2.0 , é na verdade a diversificação e facilitação de ferramentas que possibilitam as pessoas com um mínimo de conhecimento na informática, compartilhe e guarde informações online, mas a maneira que muitas empresas/pessoas fazem uma má fama dessa classificação da WEB, generalizando e confundindo muitos usuários na Internet. A chamada Web 2.0 é na verdade feita por pessoas simples que interagem diretamente com outras pessoas, assim como estamos nesse site comentando essa matéria, estamos no Twitter postando mensagens, postando em blogs… Não é simples marketing.

  • http://tisimples.wordpress.com Elcio Nakashima

    Do ponto de vista de tecnologia mesmo, realmente vc tem razão. Tudo relacionado a web 2.0 é vaporware, não tem nada de revolucionário para merecer uma nomenclatura própria.

    Mas do ponto de vista de negócio, a web 2.0 tem uma identidade bem diferente das empresas tradicionais, ou mesmo das pontocom que apareceram com a bolha da internet. E essa diferença não está relacionada com as tecnologias utilizadas. Veja as empresas no estilo da 37signals, por exemplo (aparecem várias delas na Techcrunch todos os dias). Esse modelo de inovar gastando pouco é realmente algo revolucionário. Claro que o mercado vai filtrar a maioria desses caras, mas isso é normal.

  • http://www.chrisb.com.br/blog/ Chris Benseler

    Elcio, concordo com voce! Até porque, ao meu ver, a tal web 2.0 (assim batizada) não tem a ver com tecnologia e sim com a forma de se comunicar, ou seja, essa mudança na linguagem usada na web…

    []s!

  • Pingback: Duvideodó - comunicacao interativa, publicidade, propaganda, dicas, críticas e outras coisas duvidantes()

  • https://accounts.google.com/ServiceLogin?service=mail&passive=true&rm=false&continue=http://mail.google.com/mail/&scc=1&ltmpl=default&ltmplcache=2 Rafael

    li seu artigo sobre o worpress na uol interessante e vou seguir!

    em relação a sua posição a web 2.0 creio que está equivocando-se pois ti mesmo participa desse nicho!

  • Victor Leonardo

    Web 2.0 nada mais é que um conceito. Caiu na mão de marketeiro virou produto. Aí vem toda essa história de Ajax, widgets, gadgets e mais bugingangas.

    O termo nasceu bem, combinou, porém teve um "telefone sem fio" que acabou criando todo um alvoroço.

  • Júlio C&eacut

    Bom, Web 2.0 não existe.

    O que aconteceu por trás da nomenclatura "idiota", revolucionou a web. Acredito que o marco no tempo existe sim. Está aí a colaboratividade, como necessidade de qualquer um que queira estar na web. Estão aí os padrões sendo utilizados, e os javascripts?! Não precisamos nem comentar.

    Marketing ou não, foi um bem para todos nós.

    "Não foi a guerra quem promoveu o sucesso, mas sem a guerra, o fusca não teria tanta solidez no projeto."

  • Fioravante

    Como na histórinha do Bart, as esquizofrenias passam e a realidade fica.